Partido islâmico favorito nas eleições do Kuwait.

A Primavera Árabe chegou no Kuwait e, forçado por intensos protestos, o Primeiro Ministro Mohammad al-Ahmad Al-Sabah renunciou.

As novas eleições marcadas para esta quinta-feira serão pela primeira vez monitoradas por observadores internacionais.

O Kuwait é uma monarquia constitucional na qual o Primeiro Ministro, sempre um Emir da família real Al Sabah, tem o poder de dissolver o Parlamento quando quiser. 16 dos seus ministros podem integrar o Parlamento, com as mesmas atribuições dos candidatos eleitos.

A figura do Emir é inviolável. Ele não pode ser criticado, caso isso aconteça, o autor é punido com pena de prisão.

Segundo as pesquisas, a Oposição deve vencer, elegendo entre 26 e 33 dos 50 membros do Parlamento. Ela forma um bloco integrado por políticos islâmicos, nacionalistas, liberais e independentes. O mais poderoso é o partido dos islâmicos que deverá eleger de 15 a 19 candidatos e liderar a Oposição.

Prováveis vencedores, os oposicionistas já declararam que vão exigir reformas democráticas na Constituição, que reduzirão sensivelmente os poderes do Emir e da família Al-Sabah.

Além das reformas, pretendem realizar um plano de desenvolvimento, utilizando as riquíssimas receitas do petróleo e combater a corrupção.

Não é certo que o governo aceite facilmente as propostas oposicionistas. Provavelmente, resistirá a cada uma delas. Talvez seja apoiado pelos EUA, do qual tem sido fiel aliado, que não devem ver com bons olhos mais um país do Oriente Médio em mãos islâmicas.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *