Obama contra os 2%.

Um dos temas principais da campanha de Obama à presidência é o corte aos subsídios aos ricos.

Esta generosidade do governo Bush foi aprovada pelo Congresso em 2001, para vigorar até 2011.

Nesse ano, Obama propôs a extinção do subsídio, mas os republicanos opuseram-se ferozmente. Queriam que fosse renovado.

Sua tese, jamais comprovada, era que os ricos, sendo gente que tem tudo, não teriam onde gastar esse reforço na carteira. Só lhes restaria investir na economia o que traria muitos empregos. No fim, ainda segundo os republicanos, os maiores beneficiários dos subsídios aos ricos acabariam sendo os trabalhadores…

Obama rejeitou este “wishful thinking”,  insistiu muito, mas acabou fazendo uma concessão: o subsídio iria valer até 2012.

Agora, ele vai lutar para enterrar as benesses de Bush.

Com isso, 2% dos americanos serão atingidos, todos aqueles que faturam mais de 250 mil dólares anuais.

Na defesa do corte, Obama alega que, se ele não passar, o orçamento dos EUA será onerado em 1 trilhão de dólares.

Em termos de comunicação, o tema do presidente é particularmente poderoso por dois motivos:

1-    Na crise que os EUA ainda enfrentam, o povo vê com bons olhos tudo que representa redução de despesas orçamentárias. Mais ainda quando não os beneficia claramente. Poucos acreditam nesta história de mais dinheiro no bolso de uns poucos traz  mais empregos para muitos.

2 – A riqueza de Romney, sua suspeita recusa de revelar seu imposto    de renda e sua defesa do subsídio às fortunas, posicionam o candidato republicano como um sujeito muito rico, defensor dos interesses dos seus iguais- 2% da população. Contra os 98%, portanto.

Parece que os ricos estão vendo as coisas dessa maneira.

As contribuições para a campanha de Romney têm sido muito mais substanciais do que para Obama. Em junho, por exemplo, o escore foi 106 milhões de dólares para o republicano, contra 71 milhões para seu concorrente.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *