Bispos anglicanos apóiam defesa dos palestinos.

O Sínodo Geral da Igreja Anglicana, seu mais alto corpo legislativo, votou em 9 de  julho, apoio ao EAPP (Programa de Acompanhamento Ecumênico na Palestina e Israel).

Foi destacado o “trabalho vital” da EAPP, que consiste em levar à Margem Oeste membros da Igreja para “viver a vida sob ocupação”.

Eles ficam cerca de 4 meses nessa região. Espera-se que, ao voltarem, participem de campanhas para “uma justa e pacífica solução do conflito entre israelenses e palestinos, que ponha fim à ocupação, respeite a lei internacional e implemente  as resoluções das Nações Unidas.”

Tanto as leis internacionais, quanto as resoluções das Nações Unidas consideram os assentamentos ilegais e afirmam a criação de uma Palestina independente.

Durante os debates, foi denunciado um excesso de lobby (“over-lobbying”) pró- Israel e contra o apoio á EAPP, que, no Sínodo, não seria “um bom modo de conseguir seu objetivo.”

O “Corpo Inglês de Deputados”, principal organização anglo-judaica, acusou o movimento de “criar uma coorte muito parcial e muito motivada de advogados anti-Israel que não tem quase nenhuma consciência do sofrimento dos israelenses comuns.”

Eles estimularam judeus ingleses a participarem de uma campanha de cartas para os membros seniores da Igreja e para o Church Times, o mais influente jornal anglicano, protestando contra o apoio ao EAPP.

Outros grupos judaicos, Lord Sacks ( o rabino chefe), e “Os Amigos Anglicanos de Israel” pediram a rejeição da moção.

Em sentido contrário, o bispo de Canterbury falou do seu ”respeito e gratidão pela imensa coragem e dedicação dos voluntários”. E concluiu: “Há algumas pessoas que assumem sem espírito crítico  que o governo de Israel nunca erra, vão ficar claramente muito irritadas…pelo EAPP”.

O Bispo de Manchester tentou uma solução conciliadora, propondo que a menção ao EAPP fosse substituída por “apoio aos palestinos e israelenses de todas as Organizações que trabalham pela paz na região.”

Mas, essa emenda foi rejeitada pelos membros do Sínodo.

No final, a moção pró-EAPP venceu com os votos de 201 bispos, clérigos e leigos. 54 votaram contra. E houve 93 abstenções.

E assim a Igreja de Henrique VIII fechou com a causa dos palestinos.

 

 

2 pensou em “Bispos anglicanos apóiam defesa dos palestinos.

  1. Israel tem direito de responder aos bandidos do hamas.Que as pessoas mais desinformadas procurem se informar melhor,para saberem que o hamas usa inocentes como escudo.Me indigno de ver que clérigos anglicanos ainda não perceberam a diferença entre o comportamento típico palestino e um típico judeu.Esqueceram também que DEUS (o VIVO não o humano) se fez carne através de JESUS CRISTO e escolheu Israel como seu povo eleito,mesmo com todos erros.E judeu é aq

  2. Israel tem direito de responder aos bandidos do hamas.Que as pessoas mais desinformadas procurem se informar melhor,para saberem que o hamas usa inocentes como escudo.Me indigno de ver que clérigos anglicanos ainda não perceberam a diferença entre o comportamento típico palestino e um típico judeu.Esqueceram ou não conhecem a história real porque existe essa guerra.Esqueceram também que DEUS (o VIVO, não o criado por homens) se fez carne através de JESUS CRISTO e escolheu Israel como seu povo eleito,mesmo com todos erros.E judeu é aquele que tem JESUS CRISTO como SENHOR e salvador de sua vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *