Judeus em paz no Irã.

O Irã é o país com a maior população judaica no Oriente Médio, depois de Israel.

São cerca de 25 mil pessoas.

Com a revolução de 1979, que derrubou o xá, as coisas começaram a ficar pretas para eles.

Mas o líder máximo do país, o aiatolá Komeini, deu um basta nisso: decretou que os judeus deveriam ser protegidos como uma minoria religiosa.

E logo eles receberam igualdade de direitos.

Com o acirramento da rivalidade entre o Irã e Israel, foi surgindo um clima de hostilidade, refletido em discursos anti-semitas através da imprensa.

Mesmo assim a situação estava longe de ser grave.

Até o radical presidente Ahmadinejad chegou a doar ao principal hospital judaico uma grande verba para evitar que fechasse.

Com o moderado presidente Rouhani, tudo melhorou. E bastante.

“O governo presta atenção a nossas queixas e pedidos. O fato de sermos consultados é um importante passo à frente”, declarou Homayoun Samiah, líder da Associação Judaica de Teerã.

De fato, Rouhani tem atendido aos judeus.

Seu governo passou a permitir que as escolas judaicas fechassem no sábado, o Shabat, dia do descanso da religião.

Ajudou o hospital judeu de Teerã, com 400 milhões de dólares.

E convidou um deputado judaico a acompanhá-lo na sua viagem a Nova Iorque para participar de reunião da ONU, no ano passado.

Recentemente, os judeus iranianos promoveram uma peregrinação a Yazd, à tumba de famosa personalidade da comunidade, que contou com mais de 1.000 pessoas.

Um dos peregrinos,  Mahvash Kohan, declarou : “ (Antes) nós sentíamos pressão. Agora, não temos mais preocupações. Nós nos reunimos aqui para rezar e celebrar nosso judaísmo. Temos orgulho de poder praticar livremente nossa religião.”

No passado, Israel oferecia incentivos – como casa própria – para que judeus iranianos emigrassem para a terra dos seus antepassados.

Muitos toparam.

Mas a situação mudou.

Diz Mahvash : “Judeus iranianos tem melhores condições de vida e de trabalho no Irã. Portanto, ninguém mais está a fim de ir embora agora.”

Apesar desses progressos, as organizações de direitos humanos informam que os judeus e outras minorias religiosas ainda enfrentam algumas formas de discriminação.

A televisão estatal, vez por outra, excede-se nas críticas a Israel, chegando a beirar o anti-semitismo.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *