Depois de Khadafi, o dilúvio.

Foi para salvar vidas, derrubar Kadhafi que as ameaçava e implantar a democracia que a OTAN interviu na Líbia.

E seus aviões mataram centenas de líbios e derrubaram Kadhafi.

No entanto, o que até agora foi implantado é uma terrível anarquia.

Relatório da Anistia Internacional não deixa dúvidas.

A Líbia é hoje uma terra sem lei.

Segundo a Anistia, as milícias não estão submetidas a qualquer autoridade central e comportam-se como verdadeiras máfias.

Durante e mesmo após a queda de Khadafi, elas mataram grande número de seguidores do ditador, torturaram muitos outros e invadiram muitos lares  para puni-los por suas ideias.

A Anistia diz que existem centenas de milícias armadas totalmente fora de controle, que os combates entre elas são frequentes e que milhares de pessoas continuam ilegalmente presas pelos milicianos.

Os pesquisadores da Anistia basearam suas conclusões em entrevistas com torturados nas cidades de Tripoli, Zawiya, Gharyan, Misarata e Sirte em janeiro e fevereiro.

As vítimas contaram aos pesquisadores que foram usados contra eles os mesmos métodos de tortura das prisões de Khadafi: choques elétricos, pancadas com chicotes de cadeias de metal, queimaduras e horas amarrados pelos pés em posições contorcidas.

Em Misarata, por exemplo, existem nada menos do que 250 milícias.

Elas continuam caçando os “kadhafistas” para torturá-los e matá-los. Muitas vítimas são negros sub-saarianos que os revolucionários garantem terem lutado pelo ditador.

Os homens da Anistia declararam que nunca esperariam que a situação estivesse tão má.

O Conselho de Transição Nacional ”parece não ter nem autoridade, nem vontade política para controlar as milícias” e “não tem vontade de reconhecer… a total evidência de graves níveis de violências espalhadas por muitas partes do país.”

O relatório cita alguns casos que demonstram a impotência do Conselho.

Não houve investigação sobre a morte de 65 pessoas na cidade de Sirte, em outubro, apesar de alguns milicianos responsáveis pelo crime terem sido identificados; 30.000 pessoas de Tawargha foram expulsas dos seus lares (a maioria deles foram então destruídos) pelo crime de terem apoiado Khadafi; ex soldados foram torturados até confessarem um estupro que não cometeram; outros morreram após de horas de choques elétricos.

Os líderes dos milicianos são atualmente as mais poderosas pessoas do país e alguns deles, de acordo com o relatório da Anistia, estão fazendo coisas horríveis com seu poder.

As eleições deverão acontecer em junho e não dá para imaginar que tudo corra bem enquanto as milícias não forem controladas.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *