Coreia do Norte: ameaças serão pra valer?

A ONU acaba de aplicar sanções na Coreia do Norte pelo lançamento bem sucedido de foguetes balísticos, em dezembro.

Na semana passada, o governo de Piongiang respondeu agressivamente.

Afirmou que breve realizaria um terceiro teste nuclear, juntamente com o lançamento de mísseis maiores e de alcance mais longo. Tudo para defender-se do seu inimigo jurado”, os EUA.

Por fim, os norte-coreanos falaram em “contra- medidas físicas poderosas” contra a Coreia do Sul, caso este país aderisse às sanções.

As coisas ficaram ainda mais pretas quando a “Agência Central Coreana de Notícias”, que é oficial, declarou num pronunciamento que “sanções significam guerra.”

Os jornais, que usam o “marketing do medo,” apressaram-se em falar numa 3ª. Guerra Mundial, em um foguete norte- coreano capaz de atingir com mísseis a Califórnia, no seu estoque de plutônio enriquecido  suficiente para produzir entre 4 e 8 bombas nucleares….

No entanto, os analistas internacionais mais sérios não acreditam na

hipótese de um ataque nuclear da Coreia do Norte.

Não é a primeira vez que o país usa palavras igualmente devastadoras

Recorda-se que ela já ameaçou transformar a Coreia do Sul num “oceano de fogo” e lançar uma “guerra santa” contra seus inimigos.

A verdade é que, sendo um país muito pobre, a Coreia do Norte precisa da ajuda internacional.

Atualmente, ela está praticamente isolada, o que é altamente danoso para sua economia.

Para esses renitentes comunistas, tudo melhoraria se fosse assinado um tratado de paz com a Coreia do Sul.

A guerra entre os dois países terminou há 60 anos. Através de um mero acordo de não- beligerância, as duas nações não fizeram as pazes formalmente.

O programa nuclear e de mísseis da Coreia do Norte não passaria de uma carta no jogo diplomático entre Coreia do Norte, de um lado, e ONU e EUA, do outro.

No entanto, um novo teste nuclear pode muito bem acontecer.

Em 2006 e 2009, algumas semanas depois de retaliações votadas pelo Conselho de Segurança da ONU, Piongiang realizou seus testes nucleares 1 e 2.

Justamente, num esforço para impedir o número 3, o governo chinês, através do seu jornal oficial, preveniu seu vizinho que, caso fosse em frente, Beijing  reduziria sua ajuda.

Essa ameaça sim é pra valer já que a China é praticamente o único aliado (alem de Cuba, claro), benfeitor e parceiro nos negócios da Coreia do Norte.

Parece que agora todos os jogadores puseram cartas na mesa.

De quem será o próximo lance?

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *