Contra voto americano, a ONU apela para Israel se desnuclearizar.

A Assembléia Geral da ONU apelou para que Israel renunciasse a suas bombas atômicas, aderisse ao Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares e submetesse seu programa nuclear à supervisão da IAEA (Agência Internacional de Energia Atômica).

Como, aliás, o Irã fez.

161 países votaram a favor. 18 se abstiveram. Apenas os EUA, o obediente Canadá, Israel e mais três ilhotas do Oceano Pacifico (recipientes da ajuda americana), foram contra.

Na sua justificação, Robert Wood, o embaixador de Tio Sam, explicou que a medida da ONU  “era falha por não atender aos requisitos fundamentais de justiça e equilíbrio, ao cingir-se à expressão de preocupações sobre as atividades de uma nação individualizada.”

Um tanto falacioso, não é?

Já que Israel é o único país com um programa nuclear militar secreto, não havia como incluir outras nações no apelo.

Apesar dos EUA defenderem liberdade para Israel produzir e estocar quantas bombas quiser, sem  controle internacional , o embaixador Woods não perdeu a pose.

Repetiu, mais uma vez, que os EUA continuarão a lutar por um Oriente Médio livre de armas de destruição em massa.

Seria trágico se não fosse ridículo.

Infelizmente o apelo da ONU vai cair no vazio.

As decisões da sua Assembléia Geral não são vinculativas, não tem força de lei.

Seu poder é somente moral.

O que pesa cada vez menos nas relações internacionais.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *