Armas químicas na Síria: acredite se quiser.

O presidente Obama anunciou que apresentaria à ONU as provas do uso de armas químicas pelo exército de Assad.

E cumpriu sua promessa.

Eram amostras de sangue e de terra que foram recolhidas na Síria por rebeldes e agentes da CIA. E, nos EUA, submetidas a análises cuidadosas por laboratórios, aparelhados com a mais avançada tecnologia.

Mesmo assim Ban-Ki-moon, secretário- geral da ONU, não ficou satisfeito.

“A validade de qualquer informação”, ele declarou,”não pode ser garantida sem evidência convincente de sua ‘cadeia de custódia’(processo usado para garantir a idoneidade e o rastreamento de uma prova).”

Ele se baseou nas opiniões de inspetores da ONU e de especialistas independentes.

“Você pode fazer o melhor para controlar as análises, mas a análise à distância é sempre duvidosa,” disse David Kay, antigo inspetor de armamentos da ONU, que liderou a pesquisa americana sobre armas de destruição em massa no Iraque de Saddam Houssein.

Para Jean Paul Zanders, ex- pesquisador da Union Institute for Security Studies, o problema é que as provas não podem ser testadas por cientistas independentes.

Segundo Zanders,Torna-se impossível chegar a uma conclusão com base no que foi apresentado. “Nós não temos um mínimo de informação. Não há sequer uma ficha técnica documentando as amostras.”

De fato, não dá para confiar na isenção dos indivíduos que recolheram e transportaram as amostras de sangue e de terra contaminadas.

Eles são parte interessada na culpabilidade das forças de Assad.

Os rebeldes buscam provar a existência de gás sarin, por significar a “ linha vermelha” que levaria os EUA a decidir-se pelo fornecimento de armas a eles.

Os agentes da inteligência americana também são suspeitos.

Como o governo sírio estava ganhando a guerra, Obama precisava de um pretexto para fortalecer as forças revolucionárias.

Ban-Ki-moon não se deixou enganar.

Pensando nessas razões, ele concluiu: “Eis porque continuo a enfatizar a necessidade de uma investigação nos locais que possa coletar suas próprias amostras e estabelecer os fatos.”

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *