A Arábia Saudita também degola.

O mundo ficou horrorizado com a degola dos dois jornalistas americanos pelos terroristas do Estado Islâmico.

Passou batido a mesma selvagem pena aplicada pela Arábia Saudita não a duas, mas a 19 pessoas.

Todas elas condenadas por crimes não-violentos, como feitiçaria, adultério e tráfico de drogas.

Está certo que o crime dos traficantes é muito grave, mas não justifica a brutal execução.

Já, adultério e feitiçaria não são atividades rotuladas criminalmente no mundo civilizado.

Como os jornalistas executados, os praticantes desses pseudo-crimes não mereciam nem prisão, quanto mais ser alvo de uma barbárie que é um atentado contra a própria humanidade.

Poucos jornais e tevês sequer os informaram (sempre discretamente) e a comunidade internacional ignorou.

Como também o presidente Barack Obama ao conferenciar com as autoridades sauditas, em março último.

Informa o pesquisador em Oriente Médio, Adam Coogle, que na reunião na cidade de Riad, o presidente Obama não levantou “um único assunto relativo a direitos humanos.”

Talvez não quisesse incomodar seus amigos da Arábia Saudita, onde as decapitações são muito prezadas pelo establishment local.

Somente em 2014, 45 condenados foram objeto dessa horrível punição.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *