200 acadêmicos italianos no boicote aos assentamentos.

Para o  primeiro-ministro da Itália, o “ soi disant” centro-esquerdista Matteo Renzi, os assentamentos  só devem ser combatidos com palavras (o que vem sendo feito há muitos anos sem nenhum resultado).

Segundo suas recentes declarações , a campanha de Boicote aos Assentamentos(BDS) seria simplesmente “ridícula”.

Nem todos pensam como ele em seu país.

200 acadêmicos de 50 universidades acabam de assinar um apelo para o boicote das instituições acadêmicas de Israel até que o governo de Telaviv obedeça às leis internacionais interrompendo a expansão dos assentamentos na Cisjordânia e devolvendo as terras ocupadas por eles a seus legítimos donos palestinos.

Os acadêmicos italianos se uniram a 1.500 colegas de universidades do Reino Unido, África do Sul, Brasil, Irlanda e Bélgica que, recentemente, se manifestaram no mesmo sentido.

A proposta é que os acadêmicos se comprometam a recusar convites de instituições israelenses e a não atuarem como juízes ou participarem de conferências financiadas, organizadas ou patrocinadas por instituições israelenses.

A colaboração individual com acadêmicos de Israel continua permitida.

 

Enquanto isso, campanha de adesão na Espanha aproxima-se do fim já contando comas assinaturas 1.200 pesquisadores, catedráticos e professores. universitários.

A pergunta que não quer calar é: por que o Boicote a União Sul Africana foi aprovado sem mais discussões em todo mundo ( aliás funcionou) e a Israel não, quando os dois regimes, em graus diferentes é verdade, eram racistas e praticavam o apartheid ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *