Pena de morte para jornalista saudita acusado de apostasia.

Na Arábia Saudita, a religião oficial é o salafismo, a mais radical e antiquada seita do islamismo sunita. A lei do país é a Sharia, o conjunto de leis e regulamentos do Alcorão, que datam do século 7, quando Maomé iniciou sua pregação.

As pessoas devem tomar muito cuidado ao envolver a religião na expressão dos seus pensamentos. Qualquer liberdade poética pode ser tomada como “ofensas” ao profeta ou “apostasia”.

Foi o que aconteceu com o jovem jornalista Hamza Kashgari, quando, na comemoração do aniversário do profeta Maomé, escreveu esta poesia no twiter: ‘Há coisas que eu amei em você e há coisas que odiei em você e há muitas coisas que eu não entendo em você. Não rezarei por você.”

Estas frases motivaram 30 mil indignados protestos pelo twiter. Uma página do Facebook intitulada “O povo exige a execução de Hamsah Kashgari” recebeu rapidamente 10 mil adesões.

Kashgari rapidamente desculpou-se,  mas não adiantou.

Comitê formado pelos mais importantes clérigos, responsável por assuntos religiosos no reino, editou uma condenação chamando Kashgari de “apóstata” e “infiel” e exigindo seu julgamento em uma corte islâmica.

Segundo Abdullah, um advogado, “…desde que Kashgari é um adulto…não devemos aceitar menos do que a implementação de um julgamento de acordo com a lei do Islam.”

Num caso assim, a pena que essa lei prevê é a morte.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *