Paquistão: a Justiça ameaça governo corrupto.

A Suprema Corte do Paquistão acaba de denunciar o Primeiro-Ministro por desacato

Mas isto é apenas parte da história Tudo começou quando Zardari, o atual Presidente, e sua esposa, Benazir Bhuto, foram considerados culpados in absentia, em 2003, por um Tribunal suíço, num processo por lavagem de dinheir

Em 2008, o governo do ditador Musharraf renunciou, convocando eleições. Na ocasião, foi feito um acordo entre ele e a oposição, o National Reconciliation Ordinance (NRO), que previa anistia geral para centenas de cidadãos, especialmente empresários e políticos. Nessa ocasião, o governo de Islamabad solicitou que os suíços suspendessem o processo movido contra Zardari e esposa, já que estavam anistiados. O que foi feito.

Benazir Bhuito foi assassinada durante a campanha eleitoral e Zardari acabou sendo

eleito presidente  pelo Parlamen

Acontece que, em 2009, a Suprema Corte considerou a anistia inconstitucional, ficando todos os que foram cobertos por ela suscetíveis de serem processados. Em seguida, os juízes requereram ao Primeiro Ministro que, nos termos da lei local, solicitasse às autoridades suíças o processo que condenara o Presidente Zardari.

Durante 2 anos, o Primeiro -Ministro Gilani discutiu essa decisão, alegando que Zardari, como presidente, tinha imunidade legal.

Mas esse argumento não pego

E como Gilani continuava negando-se a solicitar o processo aos suíços, em 2011, o tribunal paquistanês resolveu processá-lo por desacato, marcando seu indiciamento para 13 de fevereiro.

Se for considerado culpado de desacato ele será proibido de exercer qualquer função pública.  Terá de sair

Se acabar obedecendo ao Tribunal, assim que o processo suíço chegar, Zardari será declarado corrupto e, portanto, sujeito a impeachment. Como ele, quase todos os membros do seu Gabinete ficarão mal porque também estavam sendo processados por corrupção, quando foram salvos pela providencial anistia.

Seja lá o que acontecer, o governo atual dificilmente escapará.

.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *