Operação Sting

LANÇAMENTO MUNDIAL

OPERAÇÃO STING

(remake de “Wag the Dog”)

Com Barack Obama, Hillary Clinton, Susan Rice e um grande elenco

Luiz Eça e Teca Eça

 

O original
 ‘Wag the Dog”, que no Brasil  ganhou o título de “Mera Coincidência,” mostrava personagens, vividas por Robert Redford e Dustin Hoffman, inventando uma guerra para empolgar a população americana. E fazê-la esquecer as diabruras sexuais do presidente, recém-denunciadas com estrépito pela oposição.
O remake
Começa com uma reunião de figurões americanos. Eles comentam que o povo continua considerando o presidente incapaz de resolver a crise do país. As pesquisas apontam uma queda que chega a menos de 40%. Um deles tem uma idéia: ”Que tal uma operação Sting?”. Ele explica. Um agente disfarçado estimula um mau elemento, fanático, suspeito ou não – escolhido antecipadamente – a realizar um atentado. Ele oferece um pacote completo, com todo o planejamento do atentado e a garantia de que tudo dará certo. Só que quando ele for realizar o atentado, a polícia prende
Em seguida, vemos o nosso figurão, em seu escritório, falando com um sujeito, sentado em frente a ele. Ele diz: ”Queremos que você convença um fanático a praticar um atentado a mando do Irã. Você grava conversas de modo que pareça que ele é que está te contratando. Com essas gravações, vamos ao FBI e pronto! Obama denuncia, o povo fica indignado, esquece a crise pra pensar na luta contra esses bárbaros iranianos, liderados pelo nosso presidente.
 O agente diz que tem o homem perfeito. É um vendedor de carros usados, que vive correndo dos credores.
Estamos agora num bar.  Aparece o vendedor conversando com amigos. Ele chegou do Irã e conta as grandezas do país. Tem um primo na Quds Force, mostrou tudo pra ele. Critica duramente a política de Obama no Oriente Médio. Os amigos riem, fazem observações irônicas, ninguém dá muita bola. Nota-se que o cara está bem alto. Pede mais um Jack Daniels triplo. O dono do bar diz que ele acabou com o estoque. Ele fica puto, mas aceita outra marca. Nisso, ele lembra que tem de dar um telefonema urgente. Procura o celular nos bolsos, na sua pasta, não acha. Porra! É o terceiro celular que eu perco na semana! Todos riem. O agente, que está ao lado, empresta seu celular pra ele.  Enquanto o vendedor fala, um dos amigos mostra para outro que o vendedor tinha posto meias trocadas. Eles gozam.
Depois de se conhecerem, o agente e o vendedor tem muitas conversas. O agente confessa que é membro do cartel de drogas Zeta, que anda louco com o governo Obama. Habilmente leva a conversa para a idéia de fazer um atentado contra o embaixador da ArábiaSaudita para criar um caso internacional, pois os sauditas criticariam amargamente a segurança do governo americano. Fala que os Zetas cobrariam 2 milhões pelo serviço. O Irã pagaria, não? O vendedor, chapado e cheio de si, concorda. Em outra conversa, o agente diz que precisa 100 mil dólares de entrada mas não tem problema. Existe outro grupo interessado no atentado e eles depositarão a grana na conta do vendedor. Dinheiro depositado, gravações na mão, o agente se apresenta ao FBI, dizendo-se um infiltrado nos Zetas, o vendedor é preso. Indignado, Obama faz um pronunciamento à nação, ameaça com novas sanções ao Irã, talvez retaliações militares. Hillary também brada aos céus, exigindo vingança. E a embaixadora  Susan Rice, apresenta o caso na ONU, pede condenações e punições terríveis.
O mesmo grupo do início reúne-se, satisfeito. Trocam piadas. Um deles acabou de ler pesquisa em jornal. OBAMA CHEGA AOS 46%
Corte para bar, onde o nosso agente acabou de ler a mesma pesquisa no jornal. Surge maravilhosa mulher, que sorri para ele discretamente. Ele pousa o jornal no balcão e vira-se para a moça. Ouve-se voz de locutor : “ E nosso agente parte para nova aventura.”
THE END
Certamente você já sacou que esta história é uma versão do atentado iraniano contra o embaixador saudita nos EUA.
Concordo que é bastante fantasiosa.
Mas, a versão da Casa Branca é muito mais.
A idéia de que o atentado poderia ser um mero Sting foi proposta por Joe Lauria – conceituado jornalista americano que escreve no Boston Globe, London Daily Telegraph, Montreal Gazette e vários outros jornais.
Desde o 11 de setembro, o Sting já foi aplicado 17 vezes pela polícia americana contra jovens islâmicos, com resultados variáveis. É uma operação proibida em países civilizados como a Suécia e a Holanda por estimular pessoas a ações delituosas que possivelmente jamais praticariam

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *