Gaza: Israel não quer investigações.

Para Israel, o Hamas foi o culpado pelas mortes de mais de 1.500 civis palestinos em Gaza.

O movimento palestino teria usado esses civis como “escudos humanos”.

Além de obrigar Israel a bombardear escolas, abrigos de refugiados, hospitais e mesquitas.

Já que, nesses locais, o Hamas teria armazenado armas, instalado bases de lançamento de foguetes e atirado contra os soldados israelenses.

Quando no Conselho de Direitos Humanos da ONU foi proposto um inquérito independente sobre possíveis violações das leis internacionais na guerra de Gaza, a lógica seria Israel bater palmas.

Era uma chance para provar a veracidade de  suas acusações.

E assim calar a boca da opinião pública mundial, que anda condenando duramente as ações militares israelenses.

Aconteceu o aparentemente ilógico: os representantes de Israel ficaram violentamente contra o inquérito.

Mas foi aprovado, por 29 países a favor, 17 abstenções e dois contra – Israel e  EUA.

Comentando o caso, Yigal Palmor, portavoz do Ministério do Exterior israelense, afirmou: ”O Conselho de Direitos Humanos da ONU há muito tempo tornou-se um ‘conselho de direitos de terroristas’ e uma corte canguru, cujas investigações já estão pré-determinadas”.

Por sua vez, Netanyahu deixou claro que seu governo não colaborará com a investigação da ONU.

Como afirma aquele velho dito popular : “quem não deve não teme”.

Rejeitando o inquérito, Israel demonstra temer que as conclusões criminalizem, não o Hamas, mas o seu próprio exército.

De qualquer modo, atacando a idoneidade de órgãos da ONU, o governo de Telaviv estimula seu  isolamento na comunidade internacional.

E alimenta o movimento de boicote a Israel.

Lembro que foi assim que começou a queda do regime de apartheid da África do Sul.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *