Eleição de Rouhani faz Bibi sair do sério.

Entre os comentários de estadistas de todo o mundo sobre a vitória do moderado Rouhani nas eleições iranianas, a reação de Bibi Netanyahu chamou a atenção.

Foi o único que demonstrou desagrado.

Nem bem foram conhecidos os resultados, o primeiro- ministro israelense apressou-se em advertir o Ocidente para que não ficasse animado.

Para ele, qualquer otimismo seria wishful tinking (imaginar que seus desejos são realidades). Convinha continuar tratando os iranianos com dureza, uma vez que: ”Quanto mais a pressão sobre o Irã crescer, maiores as chances de interromper o programa nuclear iraniano, que continua a maior ameaça à paz mundial.”

E foi adiante, proclamando que, caso o Irã insistisse em prosseguir com seu programa nuclear, os aliados deveriam acabar com ele por qualquer meio. Leia-se: até pela guerra.

Está muito claro que o objetivo de Netanyahu não é impedir ataques nucleares iranianos, mas sim destruir o país como potência militar.

Para o agrupamento político que domina Israel, a segurança do país não admite a existência no Oriente Médio de uma potência capaz de enfrentar o exército israelense.

O Irã se enquadra nesse caso, com a agravante do seu governo ser inimigo jurado do Estado sionista.

Depois da última reunião entre os P+5 e o Irã, tinha ficado claro que as divergências entre as partes tornavam muito difícil uma conciliação na questão nuclear.

Crescia com mais força nos EUA e na Europa a ideia de assumir uma postura mais radical, exigindo a submissão do Irã, sob pena de sofrer um ataque militar.

A vitória do moderado Rouhani, que, durante a campanha, prometeu transparência total do programa nuclear iraniano e buscar um acordo sem radicalismos, ameaça destruir os sonhos de delenda Irã de Netanyahu.

Seria desastroso para o premier.

Em Israel, nem todos compartilham das posições dele.

O presidente Shimon Peres considerou o resultado da eleição iraniana “um novo começo, que poderia abrir caminho para a resolução pacífica do impasse nuclear.”

E Gal-on, líder do partido Meretz, fez uma análise interessante: ”A ameaça iraniana é usada como uma bandeira por Netanyahu, que ele agita cada vez que deseja distrair o público israelense dos reais problemas de Israel. A eleição do moderado Rouhani é um golpe na liderança extremista de Israel, que encontrará dificuldades para convencer o mundo a atacar o Irã e será forçada a usar recursos diplomáticos, aos quais não está acostumada, para terminar o conflito.”

É verdade que nem Shimon Peres nem o Meretz integram a coalizão que manda.

Mas não deixam de ter uma liderança moral, que pode influenciar o povo no sentido de deter a fúria belicista do premier Netanyahu e seus parceiros.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *