Coronel americano desmente o Pentágono.

“Quantos homens mais precisam morrer para sustentar uma missão que não está dando certo?”

Num artigo publicado em The Armed Forces Journal, o mais antigo periódico sobre assuntos militares dos EUA, o Coronel  Daniel Davies contesta as versões róseas do Pentágono sobre a Guerra do Afeganistão.

Ele esteve duas vezes na guerra. Na segunda vez, percorreu 9.000 milhas, acompanhando as patrulhas de tropas americanas em 8 províncias do Afeganistão, durante o ano de 2011. Ele falou com 250 militares americanos, desde praças de 19 anos até comandantes de divisão, com autoridades de segurança afegãs e com civis.

Baseando-se em suas observações, escreveu dois relatórios, um público e outro secreto, para o Comando das Forças Armadas.

Suas conclusões diferem completamente das divulgadas oficialmente pelo comando americano. O Coronel Davies afirma que a guerra desenvolve-se desastrosamente e que os principais chefes militares não estão contando a verdade ao povo.

“Ninguém espera que os planos de nossos líderes sejam sempre bem sucedidos”, ele diz no seu artigo. ”Mas esperamos – e os homens que arriscam suas vidas, lutando e morrendo merecem – que nossos líderes revelem a verdade sobre o que está acontecendo.”

O Coronel Davies revela esta verdade escondida por seus chefes.

Os militares americanos desprezam a covardia ou a falsidade dos soldados afegãos. Quanto a estes, o coronel descobriu acordos secretos de não-agressão com os talibãs. “Várias vezes, eu percebi forças de segurança afegãs conspirando com a insurgência.”

De um modo geral, o coronel sentiu problemas sérios de todos os tipos, caracterizando uma guerra que, longe do que afirmava o Pentágono, não ia nada bem.

Leia mais do relatório do Coronel Davies.

“Eu vi a incrível dificuldade que qualquer força militar tinha para pacificar mesmo uma simples parte das províncias do país; eu ouvi muitas histórias de como os insurgentes controlavam virtualmente cada pedaço e terra além do alcance do olhar de uma base dos EUA ou da ISAF (International Security Forces).”

“Eu vi pequenas ou mesmo nenhuma evidência de que o governo local fosse capaz de atender às necessidades básicas da população. Alguns dos afegãos com quem eu falei disseram que o povo não desejava ter ligação alguma com um governo (o atual) predatório ou incompetente.”

O Coronel Davies cita muitos outros casos reais, que ilustram as extremas dificuldades que as tropas americanas estão enfrentando para vencer os talibãs.

A frase seguinte sumariza bem o relatório-denúncia deste corajoso coronel.

“Em todos os lugares que eu visitei, a situação tática estava entre má e péssima. Se os acontecimentos que eu descrevi– e muitos, muitos, muitos que eu não poderia mencionar aqui – tivessem acontecido no primeiro ano da guerra, ou mesmo no terceiro ou quarto, poderia se acreditar que o Afeganistão era uma parada muito dura, mas acabaríamos nos firmando. No entanto, estes incidentes aconteceram no 10º ano da guerra…”

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *