Anti-islamismo na Inglaterra.

Jornais ingleses, especialmente tabloides, vem desenvolvendo uma  verdadeira campanha de islamofobia na Inglaterra, “distorcendo e mesmo inventando” histórias sobre os muçulmanos.

60 personalidades, incluindo políticos, acadêmicos, advogados e líderes comunitários islâmicos enviaram nesta semana uma carta ao jornal The Guardian pedindo uma investigação semelhante à que está sendo dirigida por Lord Leveson, um conceituado juiz, sobre as escutas telefônicas ilegais realizadas por certa imprensa sensacionalista.

Os signatários acusam a mídia em causa de divulgar fatos, muitas vezes mentirosos, nos quais muçulmanos são sempre apresentados como elementos criminosos e violentos, além de envolvidos em ações terroristas. Sua comunidade e religião são raramente mostradas sob um ângulo positivo.

A Baronesa Warsi, primeira mulher inglesa muçulmana membro do ministério e da direção do Partido Conservador, declarou em recente discurso que o preconceito contra os muçulmanos havia se tornado socialmente aceitável no Reino Unido.

Ela culpou a mídia por ter criado um clima no qual a islamofobia é vista como normal entre muitos ingleses. Segundo o The Guardian, pesquisa da ComRes realizada no ano passado confirmava as palavras da baronesa: um terço dos ingleses acredita que a mídia era culpada por criar no povo do Reino Unido um sentimento de medo em relação ao Islam.

 

 

 

 

1 pensou em “Anti-islamismo na Inglaterra.

  1. Sou a favor da islamofobia. Esses Abus matam todos por a[i, invadem a Europa e ainda querem ser bem tratados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *