Ajuste econômico inglês causa morte de idosos.

Quase todos os países europeus adotam ajustes econômicos para sair da crise.

De um modo geral, os programas sociais costumam ser atingidos.

No Reino Unido, os cortes do governo conservador nesses programas estão matando os cidadãos mais velhos e pobres, os mais vulneráveis.

Um novo estudo encontrou uma ligação significativa entre o aumento das mortes de pessoas acima de 85 anos e os cortes nas aposentadorias que sofrem.

O relatório desse estudo, de autoria de pesquisadores da Universidade de Oxford, foi publicado no mesmo dia em que o chanceler George Osborne anunciou novos cortes nos benefícios para inválidos, eliminando completamente os pagamentos de bem estar social a 200 mil deles e reduzindo os pagamentos a outros 400 mil.

Segundo os pesquisadores, o stress causado pela perda de renda torna mais freqüente os ataques cardíacos entre os idosos mais vulneráveis por sua idade (mais de 85 anos) e situação de pobreza.

O estudo foi realizado entre os anos de 2003 e 2007 em 324 conselhos.

Depois de 2011, a média de mortes entre os aposentados de mais de 85 anos foi 4% maior do que em 2011, entre os homens, e 6%, entre as mulheres.

Para o professor da Universidade de Oxford, David Stuckter  :”Este estudo sugere que mesmo cortes aparentemente pequenos  nos benefícios das pessoas mais velhas e vulneráveis podem ter um efeito devastador, possivelmente lhes custando a vida.”

Novos dados da Resolution Foundation mostram que o governo Cameron não só prejudica os pobres, como beneficia os ricos.

As 20% famílias mais ricas ganharão no próximo exercício 225 libras em média através dos novos cortes nos impostos de renda, enquanto que as 20%mais pobres ganharão, em média, apenas 10 libras. Mas por pouco tempo: já em 2020, elas perderão 550 libras devido às mudanças nas taxas e benefícios.

Não se preocupe com os ricos. Com eles será diferente, no mesmo ano de 2020, os 20% mais ricos sairão ganhando: em média, 250 libras graças às novas leis fiscais.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *