Abbas ameaça a unidade palestina.

A invasão de Gaza destruiu sua infra-estrutura e milhares de habitações.

O acordo de paz dispõe que os recursos doados para a reconstrução do estreito devem entrar através da Autoridade Palestina, presidida por Mahmoud Abbas, líder do Fatah.

Ele está negando  sua autorização.

Para dar seu OK, ele agora, exige a substituição dos funcionários públicos locais pelos funcionários demitidos há sete anos, quando o Hamas expulsou o Fatah, assumindo o governo de Gaza.

Hamdallah, primeiro-ministro da Autoridade Palestina, esclareceu que só assim seu governo poderá assumir o controle total da administração e segurança das obras de reconstrução.

Quanto aos funcionários a serem demitidos, receberiam “micro-financiamentos” para abrir pequenos negócios.

O Hamas reagiu com indignação, exibindo o protocolo de reunião na qual o próprio Hamdallah prometia “garantir a segurança no emprego de todos os funcionários civis, sem exceção.”

Esboça-se um conflito perigoso.

Depois de brigarem de morte em 2007, Hamas e Fatah tentaram fazer as pazes diversas vezes.

No fim do ano passado, finalmente, parecia que conseguiram.

Foi formado um governo de união da Autoridade Palestina, continuando Abbas na presidência até a realização de eleições a serem marcadas.

A questão sobre os funcionários de Gaza não passa de uma jogada política de Abbas para fortalecer seu poder, estendendo-o até Gaza.

Ela põe em risco a unidade palestina, condenada furiosamente por Netanyahu, quando mais ela é necessária.

Cresce o conflito com Israel, depois que os palestinos foram ao Tribunal Criminal Internacional acusando o exército de Telaviv de crimes de guerra em Gaza.

Para enfrentar as retaliações de Netanyahu, a união de todos os movimentos palestinos torna-se vital.

Abbas pode até ter razão.

Mas não é nada legal jogar com o sofrimento de Gaza, de dezenas de milhares de pessoas sem teto ou em casas semi-destruídas.

Especialmente com o inverno mostrando suas garras.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *