Novo suspeito no ataque químico: Arábia Saudita.

Com aparente convicção, David Cameron, o primeiro ministro do Reino Unido, garantiu que Assad fora responsável pelas bombas químicas lançadas em Ghouta.

Baseou-se em informações do seu serviço secreto cuja lógica seria “perfeita”: os vídeos provavam o ataque e, como os rebeldes não teriam condições de produzir os gases tóxicos, o culpado só poderia ser o regime sírio.

A conclusão desse raciocínio parece ter sido desmontada.

Matéria do MintPress News, publicada em 30 de agosto, revela que o dedo da Arábia Saudita pode estar na operação proibida.

Entrevistas feitas no próprio local do incidente entre moradores, combatentes rebeldes, seus pais e esposas, apontam para uma possível cumplicidade da Arábia Saudita.

Através dos bons ofícios do príncipe Bandar, chefe da segurança do petro-reino, grupos rebeldes receberam carregamentos de gás sarin.

Sob a orientação do miliciano saudita, Abu-Ayesha, líder de um batalhão, o gás, acondicionado em tubos e imensos garrafões, foi armazenado  em túneis.

Abdel-Monein, pai de um miliciano do exército rebelde, conta que seu filho e mais 12 combatentes morreram nesses túneis, durante o ataque químico.

Uma miliciana das forças anti-Asssad, cognome “k”, reclamou que não foram informados sobre o gás e nem como fazer seu manuseio.

“Quando o príncipe Bandar forneceu essas armas, deveria fornecê-las a quem sabe manusear e usá-las.”

Parece que o grupo Nussra, ligado à al-Qaeda, foi um dos contemplados. Logo após o ataque químico a Ghouta, o Nussra ameaçou que retaliaria, promovendo um ataque similar contra civis da cidade de Lathakia, o coração do regime Assad.

Esse príncipe Bandar mantém excelentes relações com os serviços de inteligência americanos e foi nomeado pelo rei da Arábia Saudita para promover a todo custo a derrubada de Assad.

O jornal inglês Daily Telegraph relata que em encontro com Putin, tentou convencê-lo a abandonar Assad em troca de uma venda de 15 bilhões de dólares em armas para seu país, além de petróleo a preços de banana.

Acrescentou uma proposta de transação bem no estilo de Al Capone, Lucky Luciano e outros cidadãos da honorabile societá: a venda de proteção.

Conforme o Daily Telegraph : “O príncipe Bandar prometeu a manutenção da base naval da Rússia na Síria, no caso do regime Assad cair.” Ele teria explicado: “Eu posso dar a vocês garantia de proteger os Jogos de Inverno, no próximo ano. Os grupos chechenos que ameaçam a segurança dos jogos são controlados por nós.”

Como se sabe, Putin não topou – nenhum estadista que se preze vende a política externa do seu país.

Acostumada a comprar tudo (inclusive consciências), a Arábia Saudita parece estar seriamente implicada no uso das armas químicas na guerra da Síria.

Convinha que a ONU liderasse uma nova investigação para apurar melhor os fatos e as responsabilidades deste país.

Hipocritamente, a monarquia absolutista saudita é um dos mais indignados acusadores do governo da Síria.

Parece que sua veemente condenação da desumanidade das armas químicas se restringe a apenas quando o regime de Damasco as teria usado.

A reportagem da Mint Press News derruba o argumento-chave da inteligência britânica para culpar Assad beyond a reasonable doubt.

Fica claro que também os rebeldes teriam condições de lançá-las.

O autor da matéria, Dale Gavlak, é correspondente do Mint Press News e da Associated Press, para o Oriente Médio. Expert no assunto, ele vive há mais de duas décadas em Aman, Jordânia.

 

2 pensou em “Novo suspeito no ataque químico: Arábia Saudita.

  1. Pingback: Zé Dirceu | Não dá para acreditar em nada do que dizem os norte-americanos

  2. O governo absolutista da Arábia Saudita deve ser desmascarado na opinião pública. Sabe-se que apoiaram o golpe no Egito, bem como o massacre feito pelos militares daquele pais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *