Guerra e paz em Gaza.

Até o dia 20 de novembro, o cessar fogo em Gaza continuava difícil de  conseguir.

Proposta do Presidente Morsi não passou pelo gabinete de ministros de Israel.

Por ela, o Hamas se comprometia a parar de lançar foguetes sobre Israel que, por sua vez, também interromperia o bombardeio aéreo e naval de Gaza e suavizaria o bloqueio.

Ehud Barak, Ministro da Defesa achou OK, mas Netanyahu e Avigdor Lieberman, das Relações Exteriores, foram contra.

Exigiam também a criação de uma “zona de segurança” de 500 metros por toda a fronteira de Gaza com Israel. Uma área que deveria permanecer deserta, sem casas, sem plantações, sem soldados, sem nada.

Ora a Faixa de Gaza é muito estreita. Esse corte em seu território forçaria a retirada de centenas de agricultores palestinos e a destruição de suas culturas. O que importaria em problemas para a realocação dessas pessoas e na redução das minguadas colheitas de alimentos disponíveis à população.

Um pouco mais de fome, portanto.

A exigência dessa zona de segurança era excessiva, inaceitável.

Por isso mesmo, passa a idéia de que Bibi e aliados desejam a continuidade do estado de guerra para conseguir o máximo de destruição possível.

Os EUA pareciam ter a mesma posição.

Uma proposta de cessar fogo apresentada ao Conselho de Segurança da ONU pelo Marrocos no começo da semana foi claramente obstruída.

Os americanos e aliados levaram 4 dias para estudar um texto simples e direto.

Por fim, por insistência da Rússia, o representante dos EUA se pronunciou, declarando que bloquearia o cessar fogo pedido pelo Marrocos, pois: ”A proposta é omissa por não apontar a causa da corrente escalada- a contínua barragem de ataques de foguetes de Gaza contra Israel.”

Na verdade, a responsabilidade pela crise é pelo menos discutível.

No entanto, mesmo que o Hamas tivesse sido o culpado, deixar de acusá-lo não seria um motivo relevante para se negar o fim do derramamento de sangue.

 

Finalmente, em 21 de novembro, as partes concordaram com um cessar fogo nos termos do texto do Presidente Morsi.

Atribui-se a mudança e posição de Israel à explosão de uma bomba (não assumida pelo Hamas) num onibus em Telaviv, ferindo 28 pessoas, algumas gravemente.

A maioria dos ministros de Israel considerou que destruir mais alguns prédios e matar mais algumas pessoas em Gaza não valia o preço de possíveis novos atentados contra seu povo.

Além das partes pararem de atirar, Israel concordou em aliviar o bloqueio de GAZA.

Já é alguma coisa embora ainda falte muito para se chegar a uma verdadeira paz.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *