Egípcios rejeitam ajuda americana.

Já não se fazem políticos egípcios como antigamente.

Em vez de estenderem a mão para os EUA, pedindo dólares para sua combalida economia, como era costume tradicional, eles fizeram o contrário: rejeitaram a ajuda americana.

Não, eles não estão jogando dinheiro fora à toa.

Sucede que a Junta Militar, que é hoje no país o Poder Executivo, fez um rapa em algumas ONGs americanas, ligadas ao Partido Democrata e ao Partido Republicano e levou uma pilha de documentos, mais computadores e outros equipamentos semelhantes.

Resultado da análise desse material: segundo os militares, provavam que as ONGs estrangeiras financiavam candidatos às eleições. Com base nisso, a justiça militar ordenou a abertura de um processo contra 43 ativistas, sendo 9 deles, americanos que foram proibidos de sair do país.

Escândalo nos EUA! Como os egípcios ousavam processar e cercear o direito de ir e vir de cidadãos americanos???!!!

Logo o governo americano ameaçou cortar a ajuda ao Egito.

O primeiro ministro egípcio e vários ministros clamaram contra essa atitude imperialista. O Egito jamais se dobraria à arrogância yankee.

Mas, se dobrou.

Talvez pressionado, o juiz militar encarregado do processo deu o dito por não dito e autorizou os americanos a voltarem para casa.

Dois dias depois, sintomaticamente, renunciou…

O parlamento egípcio, porém, não se dobrou.

Fortalecido por uma pesquisa de opinião na qual o povo rejeitava a ajuda americana, os parlamentares da maioria dos partidos declararam que não admitiam interferências externas no governo egípcio e já que elas aconteceram e os militares aceitaram, eles a repudiavam.

Não queremos mais seus dólares!

Bem, o sacrifício não foi tão grande assim. O grosso da ajuda americana, 1 bilhão de dólares, era para o exército que continuará a recebendo cheio de gratidão.

Para a economia, o que os americanos mandavam era só 250 milhões de dólares. Ficar sem eles não fará a esfinge de Gizeh esquecer o enigma.

Seja como for, o gesto valeu.

No mínimo por seu ineditismo.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *