A Reforma da Saúde não chega para muitos americanos.

A Reforma da Saúde dos EUA, o chamado Obamacare, foi feito , para garantir assistência médica a todos os americanos.

No entanto, aqueles que mais precisam – os que ganham salários mais baixos, poderão não ser beneficiados, ou mesmo prejudicados.

A lei que criou o Obamacare dispõe que todo americano deve ter um plano de saúde, caso contrário terá de pagar uma multa.

Por sua vez, os empresários são obrigados a oferecer esses planos a seus empregados.

De acordo com a lei, a parte a ser paga pelo empregado não pode ser superior a 9,5% de sua renda familiar. Informa a Foundation Family Kaiser,  que um plano de saúde custa em média 5.600 dólares anuais, para o funcionário individualmente, e 15.700 dólares quando inclui toda a família.

Ora muitos dos trabalhadores de renda mais baixa não tem como gastar tudo isso. E, pelo mesmo motivo, um número ainda maior terá de deixar a família sem cobertura.

O resultado é que, segundo Bruce Lesley, presidente da ONG First Focus, cerca de 500 mil crianças pobres ficarão desprotegidas, sem contar com as vantagens da Reforma de Saúde.

Inicialmente, o governo Obama pretendia colocar na lei que o estado garantiria assistência financeira a quem não tivesse recursos para pagar pelo plano de saúde da sua empresa.

Mas, houve oposição dos parlamentares e ele teve de retirar essa medida, deixando os mais pobres a perigo.

E tem mais: aqueles que não tiverem dinheiro para pagar seu plano terão de pagar pesadas multas.

Ainda na semana passada, a Receita Federal negou-se a excluir os pobres dessa obrigação.

Para tapar essa brecha no Obamacare, o jeito é os deputados se mexerem e aprovarem lei garantindo ajuda financeira estatal aos sem meios de ter plano de saúde.

Difícil pois, apesar do novo legislativo americano parecer melhor do que o anterior, os republicanos continuam mandando na Câmara dos Representantes.

E eles são totalmente refratários ao aumento das despesas sociais da União.

Ainda que justas e necessárias.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *