Trump contra os sem-teto.

A proposta de orçamento de Donald Trump privilegiou particularmente a Defesa e o muro na fronteira com o México.

Coerente com seu América First, o magnata, ora no exercício da presidência dos EUA, achou necessário tornar as forças armadas de Tio Sam as melhores do mundo, o que, aliás, já são, e há muito tempo.

Daí o acréscimo de 54 bilhões de dólares.

Quanto ao muro, embora tenha tornado a imagem americana particularmente odiada pelo povo mexicano, vai ganhar 4 bilhões de dólares. Isso como primeiro desembolso pois o custo total deve ficar próximo a 12 bilhões.

Todo o dinheiro necessário deve sair do Departamento de Estado, do Serviço de Proteção Ambiental (EPA), entre outros setores.

Aparentemente, The Donald acha que a diplomacia não precisa de tanto dinheiro já que o presidente pretende fazer das armas o melhor argumento para defender as pretensões da Casa Branca no mundo.

Quanto ao EPA, Trump já disse muitas vezes que é preciso cortar as azas dos ambientalistas, para não continuarem prejudicando as empresas com suas absurdas regulamentações.

Por fim, a tesoura presidencial atingiu os sem-teto. E fundo.

A ideia é eliminar de uma vez o US Interagency Councial on Homelessness.

Para completar, bilhões de dólares serão cortados dos recursos atribuídos ao Department of  Housing and Urban Development, que ajuda a disponibilizar habitações de baixo custo a famílias muito pobres.

Diane Yemel, presidente da Natin Low Income  Housing Coalision, ONG defensora das reivindicações desse pessoal, declarou que a proposta presidencial inclui alguns dos mais profundos cortes em habitação desde quando o presidente Ronald Reagan, decidiu em 1980, cortar dramaticamente os recursos destinados aos que não tinham casa.

Agora, com Trump, os sem teto devem continuar sem teto.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *