Depois de 40 anos de neoliberalismo, o Labor propõe re-nacionalizações.

No Reino Unido, depois da 2ª Grande Guerra, o governo trabalhista de Clement Attle iniciou um processo de ampla socialização. Foram passados para o estado as empresas inglesas de automóveis, energia, petróleo, aviação comercial, aço, carvão e os serviços de água, telefone, gás, transporte urbano, telecomunicações, eletricidade, transporte ferroviário e saúde pública.

Continuar lendo

Apesar de um recuo, trabalhismo inglês avança.

Na liderança de Tony Blair, o Labour afastou-se dos seus princípios originais para adotar as políticas de ajuste fiscal, privatizações e redução de benefícios sociais, em moda a partir dos fins do século 20. Com isso, ele e seus sucessores – Gordon Brown e David Miliband (em parte) – aproximaram-se das posições do Partido Conservador, afastando o público tradicional do trabalhismo. O resultado foi a perda do governo e uma redução dos seus votos, que chegaram a menos de quatro milhões nas eleições de 2014.

Continuar lendo

Golpe de mestre.

Em 4 de março, o ex- espião russo Skripal e sua filha foram envenenados por um agente químico, o Novichok, segundo o governo inglês. A primeira-ministra Theresa May acusou Putin do crime e lhe deu 36 horas para fornecer explicações sobre o uso de um agente nervoso russo no atentado. Ou haveria retaliações.

Continuar lendo

Veneno russo.

No começo do mês, na cidade inglesa de SalIisbury, um ex-espião russos, Skripal, e em sua filha, Yulia, foram envenenados com um agente neuro-tóxico químico, o Novisshok.

Continuar lendo