Intervir na América Latina: uma tradição americana.

5 mil venezuelanos batem diariamente (em média) nas portas de países vizinhos e da Espanha.

Essa gente foge da enorme carência de alimentos e  medicamentos, do desemprego beirando os 40% e da inflação de três dígitos.

Não nego nesse quadro sombrio a influência de sanções dos EUA, do contrabando e do açambarcamento generalizados de alimentos.

Mas tendo a Venezuela as maiores reservas de petróleo do mundo, Maduro não tem como justificar a crise absoluta em que seu governo deixou o país cair.

Querendo manter seu posto, ele arbitrariamente desequilibrou os três poderes da democracia venezuelana em favor do executivo, submetendo a ele também o legislativo e o judiciário. Neste ano, promoveu uma eleição com cartas marcadas: os principais opositores estavam presos, auto-exilados ou proibidos de concorrer.

A repressão dos grandes protestos de rua tem sido violenta, com mortes e torturas, comprovadas pela Anistia Internacional e a Human´s Rights Watch.

Tudo isso gerou uma reação internacional, com a maioria dos países do Ocidente condenando o governo atual como ilegítimo e reconhecendo o auto-proclamado presidente, Juan Gualdó.

A grande mídia do Brasil e dos EUA adotou a causa de Gualdó. Ele representaria o Bem enfrentando o Mal, corporificado em Maduro.

Uma intervenção americana está sendo descartada como impossível, algo absurdo de parte dos EUA.

Na verdade, intervir no seu quintal não é algo anormal na história americana.

Vamos considerar apenas o período entre o fim da 2ª Grande Guerra e os dias de hoje.

Durante a guerra fria, as principais motivações alegadas pelos EUA para suas intervenções foram combater os avanços comunistas e defender os direitos humanos e da democracia. Depois do fim da União Soviética, restaram apenas estas duas últimas bandeiras.

Não passam de meros pretextos, outras razões tem pesado mais no intervencionismo americano, como mostro a seguir.

1954- GOLPE NA GUATEMALA.

Nessa época, o país era totalmente agrícola, sendo grande parte de suas terras exploradas pela United Fruit, poderosa empresa americana.

Eleito democraticamente, o social-democrata Jacobo Arbenz promoveu uma série de reformas sociais, entre elas uma ampla reforma agrária, que tirou trabalhadores rurais da miséria, transformando-os em proprietários de terras.

Sendo os lucros da United Fruit assim restringidos, a CIA organizou um golpe, forçando Arbenz a renunciar. Havia marxistas no governo dele, fato que pesou na decisão de Washington.

O sucessor de Arbenz, o coronel Castillo Armas, inaugurou uma série de brutais ditaduras militares que assolaram a Guatemala durante 25 anos.

1961- INVASÃO FRUSTRADA DE CUBA.

Com o objetivo de derrubar o regime comunista de Fidel Castro, 1.500 exilados cubanos apoiados, treinados e financiados pelos EUA invadiram Cuba, desembarcando na Baía dos Porcos.

Esta operação, planejada pela CIA, foi um fracasso total,  derrotada pelas forças de Fidel Castro.

1964 – GOLPE MILITAR NO BRASIL.

Revelações posteriores comprovaram a ativa participação dos EUA na articulação do golpe militar que derrubou o governo trabalhista de Jango Goulart.

O fator dominante foi os interesses geo-políticos dos EUA, que viam sua hegemonia continental ameaçada pela política independente de Jango, apoiado pelos comunistas. O golpe, supostamente em defesa da democracia, depôs o presidente

E brindou o Brasil com 21 anos de ditadura militar.

1965 – INVASÃO DA REPÚBLICA DOMINICANA.

Eleito presidente em 1962, Juan Bosch promulgou uma constituição liberal, com amplas liberdades, reforma agrária e direitos trabalhistas.

Derrubado por golpe militar, Bosch recuperou a presidência através de um contra-golpe liderado pelo general Caamaño.

Temendo que a República Dominicana virasse uma nova Cuba, os EUA invadiram o país com 42 mil soldados e 41 navios de guerra, apoiados por forças de outros países, inclusive da ditadura do Brasil.

Venceram, tendo, em seguida, apoiado a eleição de Joaquin Balaguer, num pleito de legitimidade altamente discutível.

Balaguer governou 34 anos, oprimindo a oposição e negando a liberdade de expressão.

1973 – GOLPE MILITAR NO CHILE.

Depois do presidente eleito do Chile, Salvador Allende, estatizar uma série de empresas privadas estrangeiras, os EUA passaram a vê-lo como um possível aliado da União Soviética.

Golpe militar derrubou o governo Allende, com o apoio da CIA e a sustentação entusiasta do secretário de Estado, Henry Kissinger.

O general Pinochet, o líder golpista, governou o Chile ditatorialmente durante 17 anos, nos quais 40 mil opositores foram torturados e mais de 3 mil, assassinados pelas forças da repressão.

1976 – GOLPE MILITAR NA ARGENTINA.

O governo corrupto e ineficiente de Isabelita Peron estava criando o caos na Argentina. Por isso, o golpe militar deflagrado pelos militares, em 1976, foi até bem recebido pelo povo.

Cedo, porém, esse sentimento se desvaneceu diante das brutais violências do regime contra os opositores, especialmente esquerdistas. Sucederam-se inúmeros sequestros, assassinatos, torturas, detenções ilegais, execuções e até os raptos de 500 crianças de pais mortos pelo regime, posteriormente confiadas a famílias dos repressores.

No que foi talvez o mais bárbaro dos regimes ditatoriais da América Latina, 30 mil pessoas foram executadas pelos órgãos de segurança, inclusive atiradas de aviões no rio da Prata.

Nesse terrível episódio histórico, aparece a figura de Henry Kissinger, o chanceler dos EUA. Em conversa privada com ele, o chanceler argentino insinuou que seu governo teria de apelar para sistemáticos abusos dos direitos humanos.

Kissinger ponderou: “se há coisas que precisam serem feitas, as façam rapidamente.”

Conforme o embaixador americano em Buenos Aires afirmou ao governo de Washington, as palavras do secretário de Estado tinham sido interpretadas pelos militares argentinos como uma “luz verde” para continuarem suas táticas brutais contra guerrilheiros, dissidentes liberais e socialistas (The New York Times, 17-3-2016).”

1983 – INVASÃO DE GRANADA.

A invasão americana desta minúscula ilha de 342 km2 e 80 mil habitantes pôs fim a sua experiência socialista.

O próprio presidente Ronald Reagan coordenou o ataque, temendo que o aeroporto em construção pelo governo, amigo de Cuba, poderia ser usado para um futuro desembarque de tropas soviéticas…

1989 – INVASÃO DO PANAMÁ.

O ditador Noriega, durante anos fiel integrante da lista de pagamentos da CIA, começava a se tornar incômodo para os EUA.

Tornou-se público sua aliança com os chefões do tráfico internacional de tóxicos.

Informa o El PaÍS (30-3-2017): “ Se a CIA ainda o via com bons olhos, o DEA, o órgão para o controle das drogas, se inclinava no sentido oposto.”

Esta opinião prevaleceu.

O Panamá foi invadido por forças americanas, que utilizaram seus mais modernos engenhos bélicos. Conforme, entusiasmado, disse um dos comandantes da operação: “Nós temos todos esses novos dispositivos, mísseis guiados por laser e caças e estamos morrendo de vontade de usar tudo isso.”

E usaram, especialmente nos bairros mais pobres, como El Chorrillo, destroçado de uma forma tal que os motoristas de ambulâncias o chamavam  de “Pequena Hiroshima (al Jazeera, 31-1-2016).”

As forças americanas livraram os panamenhos de um ditador cruel mas cobraram a eles um preço alto: 3 mil mortos, segundo estimativas da Ong Médicos Por Direitos Humanos.

1994 – INVASÃO DO HAITI.

Finalmente uma intervenção dos EUA por uma boa causa: a reposição no poder do presidente Aristide, deposto por milícias armadas, integradas por figuras sanguinárias dos regimes dos notórios Duvalier e filho.

Pena que, em 2004, 10 anos depois, o comportamento dos americanos foi um tanto dúbio.

Aristide sofreu nova tentativa de golpe, da mesma turma tenebrosa do golpe de 1994.

A comunidade internacional reagiu.

E forças dos EUA, Canadá e Chile, sob o guarda-chuva da ONU, entraram no Haiti para assegurar a lei, a ordem e a segurança e facilitar a ajuda humanitária, como conta o The Economist (4-5-2004).

E a revista continua:  ”Após sua chegada (das forças estrangeiras) ,houve a expulsão do presidente Aristide…por uma combinação de rebelião armada, protestos populares e pressão dos franceses e americanos.”

Forçaram Aristide a sair numa boa, conforme depoimento do próprio.

 2002- TENTATIVA DE GOLPE NA VENEZUELA.

Com três anos de governo, o presidente Chaves incomodava os EUA com suas posições frequentemente contrárias às da Casa Branca. Idêntico sentimento dominava as oligarquias locais, opostas as políticas chavistas que privilegiavam os investimentos sociais do governo.

O golpe resultante desta comunhão de interesses, desferido  em 2002, chegou a depor e prender o presidente.

Mas durou apenas 48 horas.

Diante dos imensos protestos populares, os militares recuaram e Chaves voltou ao poder.

Bush deve ter lamentado essa reviravolta.

Afinal, pressuroso, ele tinha apoiado o golpe, logo depois de sua prematura efetivação.

2019 –GOLPE NA VENEZUELA.

Autoridades da Organização dos Estados Americanos revelaram

ao The Observer que a Casa Branca estava a par da auto-

proclamação de Gualdó, aprovada previamente por Washington.

Diante destas 10 intervenções militares em república vizinhas,

não seria de estranhar que os EUA estivessem executando mais

uma, na Venezuela.

Indícios não faltam.

Altas horas da noite, numa ligação telefônica, o vice-presidente

dos EUA, Mike Pence, exortou Juan Gualdó a proclamar-se

presidente da Venezuela. E o político americano garantiu ao

venezuelano que teria o apoio dos EUA.

Este episódio “implementou um plano que vinha sendo desenvolvido secretamente nas semanas anteriores, complementado por conversações entre autoridades americanas, aliados, legisladores e figuras chave da oposição na Venezuela.”

Quem fez esta denúncia não foi nenhum jornal esquerdista (ou mesmo globalista marxista), mas sim uma das vozes do capitalismo americano, o Wall Street Journal, edição de 29 de janeiro de 2019.

The Donald já pensava em usar da força bruta para destronar Maduro desde o ano retrasado. Numa reunião com o ex- secretário de Estado Tillerson e o ex-conselheiro de Segurança Nacional, MacMaster, e também num jantar com o presidente da Colômbia, ele levantou a ideia da invasão da Venezuela.

Mais comedido, Mac Master teve o maior trabalho para dissuadir seu chefe (Truth Out, 2-2-2019).

Neste ano, John Bolton, o atual conselheiro de Segurança Nacional, declarou em entrevista à Fox News: “Estamos conversando com as maiores empresas americanas, agora, acho que estamos tentando chegar aqui ao mesmo fim e resultado.” Mais adiante ele explicou qual seria este resultado: “Faria uma grande diferença para os EUA economicamente, se nós tivermos petrolíferas americanas investindo e explorando as reservas de petróleo venezuelanas.”

Aparentemente, a oposição a Maduro não pretende dissuadir esse belicoso falcão do país de Tio Sam.

Carlos Vechio, representante de Gualdó em Washington, declarou ao Bloomberg que era propósito do seu chefe cancelar a atual exigência de que a PDVA (estatal petrolífera venezuelana) mantenha 51% de participação em qualquer projeto de parceria com empresas privadas.

Para mim, os EUA não querem mesmo invadir a Venezuela. O povo americano está farto de guerras externas e The Donald está de olho nas eleições de 2020. Não convém contrariar os eleitores.

A ideia é deixar os venezuelanos cada vez mais famintos e sem medicamentos.

É a medieval estratégia da fome, posta em prática pela Arábia Saudita na guerra do Iêmen, e pelo próprio Trump, contra o povo do Irã.

As armas da Casa Branca nessa guerra são as sanções decretadas pelo morador da Casa Branca: a usurpação dos ativos financeiros venezuelanos nos EUA, no valor de 7 bilhões de dólares, e o corte das importações americanas desse produto, que neste ano representariam 11 bilhões de dólares.

Agora veja, a Venezuela importa a maior parte dos alimentos e medicamentos que necessita. Para realizar estas operações usa as receitas proveniente das exportações do petróleo, que representam 95% do total do seu comercio externo.

Se a Venezuelano já não dispõe de recursos suficientes para importar os alimentos e remédios necessários, o que será do seu povo quando as sanções americanas cortarem 11 bilhões de dólares da minguada receita do governo?

Esta odiosa tática de fazer do povo refém pode dar errado.

A ira popular, hoje lançada contra Maduro, tenderia  voltar-se contra os EUA, que passariam a ser os responsáveis pelo aumento da fome no país.

Com a ajuda da Rússia e principalmente da China, talvez o povo consiga resistir mais tempo do que o previsto pelos estrategistas de Washington e da oposição.

Enquanto isso, Maduro vai recuperar parte do seu prestígio, enquanto o anti-americanismo e o bolivarianismo ressurgirão com força total. Sem contar que a China e a Rússia ganharão espaço precioso não apenas no país de Chaves, mas também em toda a Américas Latina.

Acredito que The Donald já tenha pensado nesta hipótese de efeito bumerangue.

Com o seu ameaçador “todas as opções estão sobre a mesa”, ele dá a entender que, antes que seja tarde, poderá mandará tropas à Venezuela, loucas para experimentar as novas armas.

Os países que, para agradar o país mais poderoso da terra, clamam que o tempo dos acordos já passou, deveriam moderar sua ansiedade e ouvir a proposta de mediação que o papa Francisco acaba de fazer.

Ou, pelo menos, colocar essa opção sobre a mesa.

 

2 ideias sobre “Intervir na América Latina: uma tradição americana.

  1. Prezado Luiz Eça, respeito muito as suas ponderações, mas acho que no momento não está em jogo a tradicional política americana de dominar o quintal, mas sim uma constelação criminosa de realidades, que nada tem a haver com a manutenção da hegemonia americana nas Américas. ( não se esqueça que a Rússia de Putin continua praticando a realidade da URSS do passado – ex. Ucrânia, etc, e e ninguém fala nada ).
    O mundo mudou, a começar com os USA, com um presidente beirando a loucura e a dúvida dos políticos americanos democratas ( que tem uma visão social maior) de apoiar uma invasão na Venezuela ou deixar o povo no quintal americano morrer nas mãos de traficantes e exímios corruptos, igual aos que tivemos aqui no últimos 15 anos. Você deve saber que os americanos são os maiores clientes do petróleo de Caracas e já poderiam ter abreviado a decadência da Venezuela simplesmente deixando de comprar óleo. Não sei se é do seu conhecimento,mas durante o governo de Chaves (militar), os generais receberam generosos recursos, que foram depositados em bancos americanos,
    (Flórida) e paraísos fiscais para garantir a “lealdade” do exército. Meu irmão mora em Caracas desde 1965 e esta realidade era do conhecimento de todos. Não sei se você (eu tenho 72 anos) já teve a oportunidade de ler o magnífico 21
    lições para o século 21, do autor de Sapiens, que demonstra por A+B que os paradigmas antigos de direita e esquerda etão deixando de existi.r

    • Prezado Ulrich, acredito que o importanté salvar o povo venezuelano desta terrível provação que vem sofrendo. Não acho aceitável uma intervenção dos EUA (unilateral ou liderando um grupo de países), particularmente com “um presidente à beira da loucura’.
      Continuar ou incrementar as pressões internas e externas me parece pouco razoável. Maduro resistiria pelo menos até o fim do ano (vide analistas internacionais no UOL) e o povo seria ainda mais massacrado, devido às sanções dos EUA que cortam as importações do petróleo venezuelano, reduzindo em 50% o valor recebido pelo governo de CaracaS. Uma solução possível é as negociações propostas pelo papa, México e Uruguai. O Gualdó se diz contra pois, com isso, Maduro ganharia tempo, o que é uma besteira. Valeria à pana arriscar um prazo insignificante, no máximo em duas ou três reuniões daria para ver se o presidente atual estaria dispostos a fazer as concessões necessárias: eleições presidenciais em 3 meses, gerenciadas por uma autoridade independente (como o secretário da ONU) e fiscalização do pleito por uma organização também independente. Mesmo que, segundo alguns, tais condições já teriam sido rejeitadas por Maduro (discutível, se fosse mesmo verdade a oposição divulgaria na ocasião), agora ele está com a corda no pescoço, situação que deve torná-lo disposto a não ser exigente. Agradeço seu comentário.

Deixe uma resposta para ULRICH FRIEDRICH MIELENHAUSEN Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *